Candidaturas de Lula, Alckmin, Dias, Marina e Amoêdo ao Planalto são oficializadas

  • Postado por: Universo

  • Data de publicação: 10/08/2018 11:29:00

  • Atualizado em: 10/08/2018 11:29:00

  • 3 visualizações



    As candidaturas presidenciais de Marina Silva (Rede), Geraldo Alckmin (PSDB) e Álvaro Dias (Podemos) foram formalizadas em convenções partidárias na manhã deste sábado (4). Lula, que está preso em Curitiba (PR), também teve candidatura oficializada pelo PT. Pelo Novo, João Amoêdo é o candidato do partido.
    Em Brasília, a Rede confirmou a candidatura de Marina pela terceira vez. A ex-senadora já disputou a Presidência em 2010 e 2014.
    Batizada de “Unidos para Transformar o Brasil”, a chapa é composta por Marina e o ex-deputado federal Eduardo Jorge (PV).
    O evento contou com a presença de políticos e militantes como o ator Marcos Palmeira, mestre de cerimônias.
    Após duas horas de espera por caravanas de apoiadores de lugares como São Paulo e Mato Grosso, Marina e seu vice saíram do camarim para o palco sob aplausos. Simpatizantes com camisetas verdes, laranjas e amarelas se organizaram nas arquibancadas.
    Um grupo de mulheres puxou a presidenciável e o vice para o palco para dançar ao som de “Mulher Rendeira”. Seguiram-se performances e danças variadas.
    Além de Eduardo Jorge, o presidente do PV, José Luiz Penna, compareceu à convenção. Penna, que é ligado ao pré-candidato Geraldo Alckmin (PSDB), foi vencido pelo grupo que defendia o apoio à ex-senadora, e, até ontem, não era presença certa no evento.
    A presidenciável fez gracejo também com a aparição de um tucano na entrada do local da convenção. Ela disse que a presença do pássaro foi uma homenagem.
    “Os tucanos de verdade sabem quem ainda está comprometido com a social-democracia”, afirmou ela, em alfinetada ao PSDB do adversário Geraldo Alckmin.
    Também em Brasília, Alckmin foi oficializado ao lado de sua candidata a vice, senadora Ana Amélia (PP-RS).
    Ele teve sua candidatura homologada por 288 votos a favor, uma abstenção e um voto contra após conquistar apoio do centrão (DEM, PP, PR, PRB e SD) e de PSD, PTB e PPS, maior arco de aliança entre os presidenciáveis.
    Até chegar no ato deste sábado, o tucano teve que enfrentar meses de crise partidária e desempenho decepcionante em pesquisas.
    Lidou com a pressão de correligionários para substituí-lo, o deboche de adversários à esquerda e à direita e o desânimo de sua própria equipe.
    Agora, tem 40% do tempo de televisão e capilaridade partidária, o que reverteu o clima de abatimento que assombrava seu entorno.
    Mas Alckmin agora tem outra dificuldade: o peso da aliança com partidos conhecidos pelo fisiologismo e lideranças envolvidas em diversos esquemas de corrupção.
    Em Curitiba, com homenagens à Operação Lava Jato e à “República de Curitiba”, o candidato do Podemos à Presidência da República, senador Álvaro Dias, anunciou em convenção nacional que, caso eleito, convidará o juiz Sergio Moro para comandar o Ministério da Justiça.
    “[Moro] é o símbolo da esperança do povo de reabilitar as instituições públicas destruídas pela incompetência e corrupção”, afirmou.
    A convenção aconteceu na manhã deste sábado (4), em Curitiba (PR), com o apoio dos nanicos PSC, do vice Paulo Rabello de Castro, e PRP.
    “Não anunciaria ninguém antecipadamente para compor nosso governo, mas queria prestar homenagem à República de Curitiba, onde nasce uma nova justiça no país”, discursou o senador.

    Por: Folhapress

    
    
    %d blogueiros gostam disto: